07 março 2006

O arbitro vai passar a jogar

Normalmente, o árbitro faz cumprir as regras do jogo aos intervenientes, mas não joga. A partir do dia 9 de Março, o jogo politico português vai ver as regras alteradas. O árbitro também joga. Em vez de duas equipas, o governo e a oposição, passará a haver 3 equipas a participarem no campeonato. Foi assim que Cavaco Silva apresentou a sua candidatura à presidência da republica, não de representante da República Portuguesa e garante da independência nacional como consagrado na constituição, mas de interveniente activo. O seu manifesto de candidatura era um autêntico programa de governo, e com esse programa foi eleito.
Como prova de fairplay, foi-lhe oferecido pelos adversários um suplemento de 1.3 milhões de euros para reforçar o plantel, e será assim o principal candidato ao título.
Já todos sabemos que Sócrates o que quer é jogar. Desde que jogue, tanto lhe faz que seja pela equipa dele, pela do adversário ou mesmo pelas duas ao mesmo tempo. Marca numa baliza e noutra, festejando todos os golos com igual exultação. Para Marques Mendes, que tendo agarrado a titularidade, não tanto por mérito, mas devido a uma pandemia que vitimou as hostes do PSD desde à muito, o que interessa é chutar. Na seu frenesim de se mostrar em campo, chuta sempre, ora na bola, ora nas canelas dos adversários ou colegas. O novo interveniente terá assim a tarefa facilitada. Como nunca se engana, chutará pouco, mas quando o fizer será para ganhar o campeonato.

NDS.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial